SAP

ARTIGO: INTEGRAÇÃO DO SAP COM CHÃO-DE-FÁBRICA ATRAVÉS DE B2MML

Introdução

A integração de sistemas de terceiros de chão-de-fábrica com o SAP R/3 e mySAP Enterprise Resource Planning (ERP) podem ser extremamente complexo. A utilização de padrões como o B2MML ajuda bastante, embora muitas pessoas ainda subestimem este trabalho. Soluções de sucesso precisam ter flexibilidade para atender uma variação quase infinita nos requisitos e cenários que serão encontrados no mundo SAP.

O que é B2MML?

B2MML ou Business To Manufacturing Markup Language é uma implementação XML do padrão ANSI/ISA 95, conhecido internacionalmente como IEC/ISO 62264. B2MML consiste de um conjunto de “schemas” do XML escrito usando o consórcio World Wide Web schema language (XSD) que implementa o modelo no padrão ISA-95.

B2MML é uma maneira de uniformizar o formato de dados trocados entre o ERP e os sistemas de manufatura e MES.

ISA-95

ISA-95 é o padrão internacional de integração entre ERPs e sistemas de controle. ISA-95 consiste de modelos e terminologias. Estes podem ser utilizados para determinar quais informações precisam ser trocadas entre sistemas para vendas, finanças e logística e sistemas de produção, manutenção e qualidade. Estas informações são estruturadas em modelos UML, que são a base para o desenvolvimento de interfaces padrões entre o ERP e sistemas MES. O padrão ISA-95 pode ser utilizado por exemplo, como um guia para a definição dos requisitos do usuário, para a seleção dos fornecedores de MES e como uma base para o desenvolvimento de sistemas MES.

Um exemplo real

Como exemplo real, imaginemos que tenhamos que integrar um sistema MES de um fornecedor com o SAP utilizando uma interface usando o B2MML. A idéia seria criar um conjunto de interfaces com o SAP que atenda a maioria dos requisitos dos clientes.

O conjunto de interfaces com o SAP utilizam serviços web para passar conteúdo padrão para/de o sistema SAP. A aplicação é baseada no modelo ISA-95 e no Business To Manufacturing Markup Language (B2MML).

Production Management

As funções básicas da interface com o gerenciamento de produção são:

  1. Enviar schedules de produção do sistema ERP para o sistema MES;
  2. Enviar dados de performance da produção do MES para o sistema ERP.

As interfaces trabalham com os módulos do SAP PP ou PP-PI, embora um dos dois seja utilizado em uma aplicação específica. Ambos os dados de roteamento do módulo PP e BOM (Bill of Material) assim como as informações da receita de controle do módulo PP-PI são mapeados no schedule de produção XML do ISA-95/B2MML. Isto possibilita um sistema único, baseado em padrões do lado do sistema de controle da interface.

Asset Management

O conjunto de funções presentes na interface com o módulo de gerenciamento de ativos são:

  1. O MES carrega a lista de equipamentos do módulo PM do SAP;
    O módulo PM do SAP contém uma lista máster dos equipamentos que serão verificados para efeito de manutenção. Um subconjunto da lista máster é carregada para o MES sob demanda.
  2. O MES envia dados de “runtime” de equipamentos para o módulo PM do SAP;
    Dados de performance dos equipamentos são acumulados pelo MES e periodicamente enviados para o módulo PM do SAP.
  3. O MES envia ao módulo PM do SAP uma requisição para iniciar uma ordem de manutenção;
    O MES pode enviar uma requisição de manutenção em um equipamento para o módulo PM do SAP que cria uma notificação de manutenção. Os usuários finais do módulo PM podem então autorizar a manutenção criando uma ordem de trabalho ou proibir a requisição, causando a finalização da notificação.
  4. O módulo PM do SAP envia uma ordem de trabalho com informações ao MES de mudanças no status da ordem de manutenção;
    O SAP envia dados da ordem de trabalho da manutenção para o MES quando ocorre uma mudança no status da ordem de trabalho.
  5. O módulo PM do SAP envia uma resposta de ordem de trabalho para as ordens de manutenção finalizadas para o MES.
    O SAP envia informações sobre notificações de manutenção completadas quando uma ordem de trabalho é fechada no módulo PM.

Inventory Management

O conjunto de funções presentes na interface com o módulo de gerenciamento de inventário são:

  1. O MES carrega dados da lista mestre de materiais do módulo MM do SAP;
    A lista mestre de materiais é carregada no MES para permitir que o sistema de manufatura inclua informações como os custos em displays em tempo real.
  2. O MES carrega dados de inventário no módulo MM do SAP
    O MES pode enviar periodicamente informações de inventário ao módulo MM do SAP.
  3. O MES carrega características do batch no módulo MM do SAP
    Quando o material é gerenciado em forma de bateladas em um sistema SAP, é sempre necessário para o sistema MES enviar ao módulo MM dados característicos do batch (eg. Data de validade, range de operação) para lotes de materiais e associar estes dados a “ID” de batchs.

Quality Management

O conjunto de funções presentes na interface com o módulo de gerenciamento de qualidade são:

  1. O módulo QM do SAP carrega informações de inspeção de lotes para o MES;
    O MES recebe mensagens de inspeção de lotes do módulo QM do SAP. Estas mensagens contém as informações dos lotes que requerem inspeção bem como os requisitos para cada lote.
  2. O MES informa os resultados dos pontos de inspeção ao módulo QM do SAP
    Utilizando as informações de inspeção de lote carregadas pelo módulo QM do SAP, o MES pode enviar resultados de testes de qualidade para lotes específicos para o módulo QM.

Estas informações podem envolver o uso de análises de laboratório e/ou uso de analisadores na linha.

B2MML

Uma vez que o B2MML tenha sido escolhido como o formato de dados, alguém ainda tem que manipular o mapeamento, roteamento e lógica de negócios entre os sistemas que estão trocando dados. Então, a melhor solução de interface precisa não só suportar B2MML, mas também precisa ser flexível e fácil de modificar, pois cada nova necessidade precisará de novas mudanças.

Lado do SAP

O SAP é um sistema extremamente sofisticado, baseado em configurações de aplicações de negócios, nunca é “plug-and-play”, ao contrário, é um sistema altamente customizável para atender as características únicas do cliente final.

Deve-se levar em conta ainda as diferentes versões do SAP. As verões ainda mais utilizadas incluem 4.0B, 4.5B, 4.6C e 4.7. Atualmente temos ainda as versões mySAP ECC 5.0 e ECC 6.0.

Além da versão utilizada do SAP tem que se levar em conta qual o melhor método de conectividade a ser utilizado neste cliente. O SAP suporta um grande número métodos de conexões nativas, incluindo Idoc, RFC/BAPI, NetWeaver/XI e mais recentemente NetWeaver/xMII.

Além da versão utilizada do SAP e do método de conexão utilizada, também deve ser levado em conta as diferenças entre os módulos utilizados no cliente. SAP PP (Production, Planning and Control) é diferente do SAP PP-PI (Production Planning for Process Industries).

Lado do MES

Do lado do MES, o sistema deve suportar conexão não só com o SAP mas também com aplicações Oracle e outros ERPs por exemplo. Seria interessante ter os mesmos mecanismos básicos de conexão que foram utilizados com o SAP. Portanto a interface ideal deveria ser facilmente adaptável a outros formatos de comunicação.

Em outras palavras, a aplicação MES deve fornecer uma interface consistente baseada em padrões ao mundo externo de forma que possa tratar da mesma forma independentemente do que esteja sendo conectado.

Conclusão

A indústria em geral possui hoje uma demanda para fornecedores que possam oferecer uma solução para integração com o SAP baseada em padrões de mercado. Muitas pessoas subestimam as complexidades inerentes de fornecer integração bidirecional de dados em tempo real de processo entre dois sistemas sofisticados como o SAP e o MES. Os fornecedores devem fornecer uma solução certificada pela SAP que seja flexível o bastante para preencher a quase infinita variação em requisitos e cenários que devem ser encontrados no mundo SAP.

É importante que o cliente final e o integrador tenham consciência desta complexidade para que consigam enxergar esta tarefa de integração com o SAP como ela realmente é: Altamente compensadora, mas cheia de nuances e detalhes.

Referências

ISA
http://www.isa-95.com

WBF
http://www.wbf.org

ARC Advisory Group
http://www.arcweb.com/ARCConcepts/default.aspx

Informações

Para maiores informações sobre o assunto, favor entrar em contato com:

Samarone Guimarães Ruas
www.techplus.com.br